Granåsen?!

Placas são coisas que costumamos sempre olhar mas quase nunca apreciar, não é? Não que esta seja a placa mais bonita do universo (hehe), mas foi um detalhe legal que quis explorar! Achei bacana os nomes em norueguês, especialmente “Granåsen” que usa uma letra diferente do nosso alfabeto (å).

Você pode, talvez, reconhecer esse lugar de algumas outras fotos que já coloquei aqui. Fica na Noruega, próximo da cidade de Trondheim.

Mas a dica por trás dessa foto é, novamente: focar nos detalhes. Muitas vezes nos deparamos com um lugar onde tudo é bonito que acabamos nem notando os detalhes, as pequenas coisas que abrem um leque gigantesco para a criatividade. Nesse caso, o musgo na placa, as árvores ao redor, montanhas ao fundo, esquiadores, enfim.. uma infinidade 🙂

Essa foto é bastante simples, eu quis deixar a placa em uma das linhas de interesse da regra das proporções douradas, e no plano de fundo as árvores levando até a montanha. Usei essas configurações na máquina:

  • Abertura do diafragma: 5.6 (fundo borrado)
  • ISO 200
  • Velocidade do obturador: 1/500

 

Se você ainda não sabe ao certo como configurar sua câmera, ou o que são essas configurações que a gente sempre fala por aqui, dá uma olhadinha nesse VÍDEO AQUI.

Um abraço,

Ricardo

  • Saulo Belter

    Ainda sou 1/2 tosco em fotografia, mas so por curiosidade, porque vc não usou o diafragma em f2.8 ? Ou vc acha que não faria diferença ? Obrigado

    • Muito boa a sua pergunta Saulo. Não usei 2.8 por dois motivos:
      1 – A lente que eu usei na hora não chega até essa abertura de 2.8, o máximo dela é 3.5
      2 – Quis deixar o plano de fundo reconhecível, ou seja, apesar de borrado, nítido o suficiente para que todos conseguissem ver as árvores e as montanhas ao fundo. Com uma abertura tão grande como 2.8, por exemplo, o fundo ficaria quase irreconhecível, provavelmente só daria para ver manchas coloridas.