[Na Prática] O Poder do Inusitado Na Fotografia

Tempo de leitura: 1 minuto

Sabe aquelas fotos que você não tinha ideia nenhuma de fazer?

Aquela oportunidade que parece ter caído do céu para você apontar sua câmera e clicar?

Pois é, aí eu te pergunto: por que raios muitas pessoas nem conseguem perceber situações assim?

Na verdade a resposta é bastante simples: OLHO FOTOGRÁFICO

Algumas pessoas simplesmente não tem ou preferem não usar desse dom magnífico que todo apaixonado por fotografia deveria ter.

Hoje o Rodrigo fala um pouco sobre isso e mostra 2 fotos inusitadas que nossos olhos atentos não deixaram passar desapercebidas.

Veja elas aqui:

CANON 60D | 18-135 (@100mm) | ISO125 | 1/60 | f/5.6
CANON 60D | Canon 18-135 (@135mm) | ISO125 | 1/200 | f/5.6

Bacana, né? Curto demais esse clima quente e alegre de pôr do sol. Principalmente no mar 🙂

Se curtir também, passe adiante e ajuda mais pessoas à acordarem para essa beleza incrível que nos cerca!

Veja o vídeo do Rodrigo:

Um abração nosso e até mais,
Rodrigo & Ricardo

  • Paulo Ricardo

    Salve, Rodrigo!

    Curto muito também fotos de pôr do sol e silhuetas.

    Agora, uma coisa me intrigou ao olhar atentamente a foto da silhueta: apesar do ISO bem baixo usado na captura, a parte acima do horizonte (mais amarelada) da foto está meio “pixelada”, parecendo ruído. Por que isso aconteceu?

    Cordialmente,
    Paulo Ricardo Ferreira

    • Note que nesse caso foi usado um filtro artístico do photoshop, como se fosse uma pintura feita à mão. A foto original nao tinha qualquer tipo de ruído ou noise, justamente pelo ISO baixo. Forte abraço =)

      • Paulo Ricardo

        Caro Rodrigo,

        Penso que seria interessante isso ser mencionado.

        Forte abraço =)

  • André Della Cella

    Oi Rodrigo, como vai? Percebo que nos videos da série “Na Prática” do Cara da Foto, todas as vezes que vocês falam que fizeram as fotos no modo AV (prioridade abertura), vocês falam o valor da abertura e do ISO que definiram e obviamente a câmera vai definir automaticamente o valor da velocidade. Contudo, para que isto ocorra, vocês também têm que definir o valor da exposição, certo? Não vejo muito vocês falando no valor da exposição que vocês definiram e acho importante, mesmo porque, em algumas de suas excelentes dicas, já ouvi vocês dizendo que uma exposição em -1 ou -2 é até melhor para fazer fotos no pôr do sol. Estou correto? Parabéns pelo excelente trabalho de vocês.
    Grande abraço, André.

    • Isso aí, o exposure compensation influencia diretamente na velocidade final do obturador. Nem sempre lembramos de mencionar como ele estava configurado, mas é uma boa sugestão, realmente 🙂
      Forte abraço